GeralNotícias

Após polêmica com uso de recursos federais, governador entrega detalhamento de gastos no enfrentamento á covid-19

0
Tempo de leitura: 1 minuto

O governador Eduardo Leite, acompanhado do chefe da Casa Civil, Artur Lemos Júnior, e do procurador-geral do Estado, Eduardo Cunha da Costa, iniciou nesta sexta-feira, 19, a entrega de um documento de prestação de contas sobre os gastos com recursos federais no enfrentamento à Covid-19 aos demais chefes Poderes.

O caderno detalha destinações dos repasses federais ao Rio Grande do Sul em 2020 a partir dos dados extraídos do Sistema de Finanças Públicas Estadual (FPE) em março de 2021. “Diante das declarações infelizes e equivocadas sobre a destinação dos recursos federais, desenvolvemos esse caderno com todas as informações sobre valores disponibilizados e empenhados no combate à pandemia”, afirmou o governador no Ministério Público (MP), onde fez a primeira entrega do caderno. “O MP, por ser um órgão fiscalizador do poder em todas as esferas, pode, claro, solicitar mais informações e dados. Nossa intenção foi apenas organizar tudo da melhor forma e fazer uma entrega de forma transparente”, acrescentou.

Os repasses transferidos ao RS totalizaram R$ 3,050 bilhões e foram divididos em três categorias:
° Compensação de perdas de receitas (recursos de aplicação livre), no valor de R$ 2,149 bilhões;
° Recursos para ações de enfrentamento à Covid-19 (vinculados), no total de R$ 826, 1 milhões;
° Recursos para o setor cultural (vinculados), que totalizaram R$ 74,9 milhões.

Em 250 páginas, o caderno de prestação de contas também apresenta toda a legislação federal que embasou a destinação dos repasses, além de contratos e todos os números dos empenhos com os respectivos valores.

“Agradeço pelo gesto formal e muito representativo, pois exterioriza as ações adotadas, o que é muito importante num ambiente de muitas fake news que estamos vivendo. A gente já vem analisando de forma frequente, mas é ótimo ter também essa versão organizada e consolidada”, afirmou o procurador-geral de Justiça, Fabiano Dallazen.

Logo após, o governador Leite foi até a Assembleia Legislativa fazer a entrega simbólica ao presidente, deputado estadual Gabriel Souza, com participação presencial do líder do governo, deputado Frederico Antunes, e de outros parlamentares por vídeo.

O presidente da Assembleia aproveitou o encontro para fazer um anúncio importante com relação a um novo repasse. “A Assembleia fez uma economia, num esforço conjunto em todos os gabinetes dos deputados, em 70 dias, de aproximadamente R$ 5 bilhões, sem contingenciamento por hora, e já conseguimos repassar do nosso orçamento do Legislativo para o do Executivo para que seja repassado a 55 municípios que mantêm pronto-atendimentos exclusivos Covid e que não obtêm financiamento de outras fontes de entes federados”, disse Souza.

DESTINAÇÃO DE RECURSOS
No ano passado, o Poder Executivo se engajou nas discussões federativas sobre o suporte federal e, assim como as demais unidades da federação, recebeu três modalidades de recursos da União. A Lei Complementar 173/2020 estabeleceu o “Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus Sars-CoV-2 (Covid-19)”, visando mitigar os efeitos financeiros por meio da entrega de recursos da União para Estados e municípios, com suspensão de pagamentos de dívidas contratadas com a União e reestruturação de operações de crédito interno e externo perante instituições financeiras e instituições multilaterais de crédito.

Reposição de receitas
Por meio do FPE, de abril a dezembro, a cobertura para o Rio Grande do Sul foi de R$ 126 milhões. Outra forma de cobertura federal de receitas se aplicou às perdas de arrecadação de tributos estaduais e municipais (em especial, ICMS e ISS), mas em um modelo de quatro parcelas fixas, pagas de junho a setembro, a partir de uma estimativa que se relacionaria com as arrecadações de abril a julho. O valor de R$ 1,95 bilhão foi recebido pelo RS devido às perdas. Caso o ICMS em 2020 crescesse de acordo com as previsões do boletim Focus do final de 2019, a perda de ICMS no ano seria de R$ 2,39 bilhões (dos quais, R$ 1,8 bilhão ficariam no Estado).

Suspensão de pagamento de dívidas com a União e bancos
Outra modalidade de suporte foi a suspensão das dívidas com a União e bancos públicos, que teve como impacto a economia de R$ 78,4 milhões junto ao BNDES, dado que as parcelas com a União (R$ 3,5 bilhões anuais) já estão suspensas por liminar do STF desde 2017, não tendo o Estado assinado a possibilidade de sua suspensão sob cobertura da Lei Complementar 173/2020.

Repasse de Recursos Vinculados
Em relação aos repasses federais vinculados, os valores relacionados à Saúde (R$ 826 milhões) foram rigorosamente aplicados no combate ao coronavírus, como se comprova pelo aumento de R$ 1,1 bilhão nas despesas com a função Saúde no ano. O artigo 5º da LC 173/2020 determinou a aplicação em ações de enfrentamento à Covid-19, incluindo o pagamento de profissionais que atuam no SUS e na assistência social.

O mesmo se deu com outros repasses como a Lei Aldir Blanc, que refletiram em aumento de R$ 71 milhões de gastos na Cultura. A LC 173/2020, que aprovou os repasses para o ICMS e parte das vinculações da Saúde, foi textual. A aplicação devia ser “em ações de enfrentamento à Covid-19 e para mitigação de seus efeitos financeiros”. Assim, no caso do RS, foram rigorosamente aplicados nas áreas relacionadas a cada fato gerador do recurso e serviram para evitar um desequilíbrio que assolaria as ações públicas diante de tamanha crise econômica.

Fonte e foto: Governo do Estado RS

Andressa de Oliveira

FONTOURA XAVIER | Acidentes de trânsito no interior tem preocupado motoristas

Artigo anterior

SOLEDADE | Mais 880 doses da vacina contra Covid-19 foram enviadas para o município

Próximo artigo

Você também pode gostar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Mais Geral