Notícias

Assembleia pode iniciar nesta terça-feira definição sobre futuro da Corsan

0
Tempo de leitura: 1 minuto

A Proposta de Emenda à Constituição que remove a exigência da realização de plebiscito para a venda de empresas estatais, como a Corsan, será votada nesta terça-feira, 27, pela Assembleia Legislativa. A votação é realizada em dois turnos, sendo necessários três quintos dos votos dos deputados para sua aprovação. Ou seja, votos de 33 dos 55 parlamentares.

O governador Eduardo Leite oficializou no dia 18 de março a intenção de privatizar a estatal. Para que isso ocorra, a Constituição exige a realização de um plebiscito. Porém, com o objetivo de tornar o processo mais rápido, o governo quer retirar a obrigatoriedade da votação popular através da PEC 280/2019, de autoria do deputado Sérgio Turra (PP) e outros 24 parlamentares.

Se a proposta não for aprovada, Cíntia Agostini, vice-presidente do Codevat, explica que o governo terá que realizar o plebiscito, caso opte por dar sequência ao processo de privatização.

“E esse plebiscito tem algumas regras. É como se fosse um processo eleitoral. É um processo mais lento, mas toda população estaria apta a decidir se quer ou não privatizar a estatal”, explica Cíntia.

De acordo com o governo, o objetivo da desestatização é preparar a empresa para cumprir as novas exigências do Marco Legal do Saneamento, que diz que as cidades e concessionárias têm obrigação legal de até 2033 tratar 90% do esgoto e levar água tratada para 99% da população.

“Falar de privatização não é um tema simples. Há quem seja contra e quem seja a favor. No Vale, um terço dos municípios tem contrato com a Corsan. E na região temos índices de esgotamento muito baixos, onde apenas cerca de 10% das residências são atendidas com sistema de esgoto tratado. O governo alega não ter dinheiro para cumprir com as exigências do Marco Legal. Por isso, a alternativa encontrada é a privatização”, finaliza Cíntia.

Momento é considerado inoportuno por deputados

O deputado Edegar Pretto (PT) reforça a posição contrária da bancada petista quanto à proposta. Para o parlamentar, três argumentos sustentam tal posicionamento: a inconstitucionalidade da PEC, por ser uma empresa altamente lucrativa e por ser votada em meio ao que considera ser um dos piores momentos da pandemia no estado.

“A PEC é, primeiramente, inconstitucional. Uma vez que o povo conquistou esse poder, somente ele pode abrir mão dessa prerrogativa. E tem também o emblema da pandemia. Será que o governador e sua base aliada não têm coisa mais importante para fazer nesse momento, em que estamos sofrendo por problemas de estrutura hospital?”, observa Pretto.Já

o deputado Giuseppe Riesgo (NOVO), um dos parlamentares proponentes da PEC, é a favor da aprovação da proposta. Para ele, uma empresa que não precisou de plebiscito para ser criada, também não precisaria de um plebiscito para ser vendida.

“Nossa única crítica à proposta é sobre o atual momento em que a proposta será votada. Colocar em votação uma PEC dessa importância, no meio desse imbróglio. Estamos em um momento em que o governo está fazendo uma má gestão da questão da volta às aulas, com confusão jurídicas e uma série de decisões erradas. Resolve primeiro a questão mais importante”, argumenta Riesgo.

 

 Escrito por: A Hora

Andressa de Oliveira

SERAFINA CORRÊA | Prefeitura inicia trabalho de remoção e recomposição de pedras soltas nos bairros

Artigo anterior

Associados recebem prêmios do Aplicativo Produtor é Mais da Cooperativa

Próximo artigo

Você também pode gostar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.