DestaqueNotícias

CAMPOS BORGES | O dilema nas divisas de Volta Vitória

0
Tempo de leitura: 2 minutos

Lideranças da comunidade de Volta Vitória, interior de Campos Borges, Alto Alegre e Espumoso, querem pertencer somente ao município de Campos Borges.

Conforme explica o morador da comunidade e uma das lideranças que vai trabalhar no processo, Pedro Leomadir Rodrigues Barbosa, servidor público aposentado dos Correios, agroindustrial e agricultor, todos os moradores de Volta Vitória possuem talão de produtor rural, título de eleitor, consomem no comércio, utilizam os serviços públicos como educação, agricultura, obras e saúde, bancários e privados em Campos Borges, no entanto, alguns possuem parte de suas áreas de terras em territórios de Espumoso e Alto Alegre, o que já causou transtorno, especialmente quando necessitaram requerer o Proagro, que é o seguro da lavoura, e tiveram o benefício negado, pois o talão de produtor estava em um município e parte da lavoura em outro.

Outra situação complexa para a comunidade é quanto a estrutura da comunidade. A igreja e o salão comunitário estão dentro do território de Campos Borges. Já o campo de futebol e o cemitério pertencem a Espumoso e o Santuário de Santa Rita de Cássia, motivo de peregrinação de centenas de pessoas todos os anos e que é administrado e cuidado pela comunidade, fica dentro da área de Alto Alegre.

Explica Pedro Leomadir que não há como solicitar recursos estaduais ou federais para colocação de estrutura na comunidade, como calçamento por exemplo, porque cada pedaço pertence a um município diferente. A quadra coberta, que posteriormente foi concluída pela comunidade foi construída em uma área pertencente a Campos Borges, e por isso puderam investir o recurso federal conquistado pelo governo municipal da época, no caso da prefeita Sandra Soares. Melhorias no campo de futebol só com recursos de Espumoso e no santuário, pelo governo de Alto Alegre.

Em meu ponto de vista, nem Espumoso, nem Alto Alegre terão prejuízos com a cedência desse território para Campos Borges, pois as pessoas que aqui vivem não contribuem com aqueles municípios, sequer são eleitores. Por outro lado, os mesmos têm que realizar a manutenção de estradas do território”, disse Pedro Leomadir.

O assunto foi pauta da sessão ordinária da Câmara de Vereadores, quando a vereadora Ameris Rodrigues Lira Hartmann (MDB), usou a tribuna para expressar sua preocupação em ajudar a comunidade a resolver a questão que há 33 anos não tem solução, e pediu o apoio dos demais vereadores para se engajarem na missão de trazer a totalidade de Volta Vitória para Campos Borges.

O objetivo

A comunidade de Volta Vitória quer pertencer somente a Campos Borges para que tudo fique mais organizado e seus direitos possam ser concedidos e também as conquistas de melhorias possíveis de serem realizadas, como pavimentação e outras melhorias em que o governo de Campos Borges possa realizar legalmente.

O que precisa ser feito

Segundo explicou o líder comunitário Pedro Leomadir, um documento de intenção de cada morador de Volta Vitória solicitando o desejo de que suas áreas passem a pertencer para Campos Borges. Um georreferenciamento da área apresentando as demarcações de como ficaria a nova divisa, que segundo ele, voltaria a ser como nos tempos de distrito de Espumoso. É preciso que a prefeita Cleonice da Paixão Toledo faça a negociação com os municípios vizinhos. A Câmara de Vereadores de Campos Borges também precisa mostrar interesse no processo, apoiando a intenção.

Precisa haver a concordância dos prefeitos de Espumoso e Alto Alegre em ceder a área, que hoje, segundo Pedro Leomadir, somadas aproxima-se de 500 hectares. Uma vez havendo a concordância dos prefeitos, eles precisam da autorização das suas Câmaras de Vereadores para que isso seja feito. Se tudo correr bem, e que ninguém se opor as novas demarcações territoriais, o processo precisa ser montado e apresentado na Assembleia Legislativa do RS, na Comissão dos Assuntos Municipais, que irá deliberar sobre o tema. No entanto, dificilmente irão se opor em aprovar caso tudo isso chegue com a concordância documentada dos municípios vizinhos.

O que pensam os prefeitos de Espumoso e Alto Alegre

A redação do Correio do Mate procurou os prefeitos dos dois municípios. Em Espumoso o assunto foi apresentado ao Secretário de Planejamento, Marcelo Valadares, visto que o prefeito Douglas Fontana não se encontrava. Conforme o secretário, o assunto já é de conhecimento da Administração e que uma vez montado o processo, o governo tem interesse em ajudar a comunidade de Volta Vitória e de Campos Borges cedendo o território ao município vizinho. “Temos interesse em ceder o território sem problema, visto que realmente os moradores daquela comunidade se consideram de Campos Borges e tem sua vida toda ligada aquele município”, disse Valadares.

Já o prefeito de Alto Alegre, Avelino Salvadori, lembrou que na época da emancipação do município ajudou a fazer a demarcação territorial, no entanto, afirmou desconhecer o desejo da comunidade de Campos Borges e que ainda não havia sido procurado pelos mesmos para tratar do assunto e que por isso, não tem uma opinião formada sobre a situação. “Precisamos analisar a proposta, as reivindicações, não posso fazer isso por conta própria, a administração, os vereadores precisam estar envolvidos”, disse.

O Santuário Santa Rita de Cássia

Administrado e cuidado pelos moradores de Volta Vitória, o santuário recebia, antes da pandemia centenas de pessoas todos os anos. Na época da festa da Santa, que tem data de comemoração em 22 de maio, o local fica tomado de fiéis. Mesmo dentro do território de Alto Alegre, o evento é divulgado como de Campos Borges. A área foi toda construída com recursos de doações de fiéis e moradores da localidade, se caso venha precisar de infraestrutura ou mesmo receber um recurso público para investimentos em turismo religioso, por exemplo, dependerá do governo de Alto Alegre. No entanto, uma vez que nenhum morador possui ligação como cidadão alto-alegrense, possivelmente não haverá interesse por parte do município vizinho, declarou Pedro.

Vereadora Ameris Hartmann

Proponente na Câmara de que a comunidade de Volta Vitória receba o apoio necessário para resolver a questão, a vereadora disse que se empenhará junto com a comunidade e também com o governo municipal, apoiada pelos vereadores em resolver a questão que é de suma importância para a comunidade e para Campos Borges que terá 100% da localidade em seu território, mas não apenas isso, promovendo melhorias para Volta Vitória, impedidas por burocracia impostas pelas divisas.

Temos esperança de receber o apoio necessário para resolvermos a questão. Sabemos que será trabalhoso, mas se cada um fizer a sua parte, em médio prazo acredito que a Volta Vitória, depois de 33 anos poderá crer que poderá sonhar pelo menos com a possibilidade de receber investimentos, acreditando no potencial do turismo religioso, através do Santuário, que atrai muitas pessoas, mas que se a comunidade estiver estruturada, poderá receber ainda mais fiéis, contribuindo inclusive com a economia local”, finalizou Pedro Leomadir Rodrigues Barbosa.

Gemerson Rogerio Santos

ARVOREZINHA | Autor de homicídio é preso preventivamente

Artigo anterior

Veículos de Espumoso e Soledade se envolvem em grave acidente na ERS 332

Próximo artigo

Você também pode gostar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.