Portal de Notícias Correio do Mate
DestaqueNotícias

Dália inicia processo de Certificação Halal

Documentação permitirá que produtos sejam exportados a países do Oriente Médio e determina uma série de requisitos durante o abate

43Visualizações
Portal de Notícias Correio do Mate

A Cooperativa Dália Alimentos deu início ao processo de Certificação Halal no frigorífico de frangos localizado em Palmas, Arroio do Meio. Na quinta-feira, dia 25 de junho, o Comitê Dália Halal, composto por funcionários que irão disseminar os conceitos aos demais empregados da unidade, passaram pela primeira de uma série de capacitações que serão realizadas até que a indústria esteja devidamente certificada.

O curso foi ministrado pelo auditor técnico e supervisor regional, Said El Moutaqi, da empresa CDIAL HALAL, filial do Grupo CDIAL, referência global em Certificação Halal. Marroquino de nacionalidade, Said trabalha com abate Halal desde 1992. Participaram do encontro o gerente da Divisão Frango de Corte, Pedro Raul Mallmann; os supervisores de Produção, Daniel Kummer; de Manutenção, William Tuchtenhagen; de Gestão e Produção, Eduardo Koefender; o encarregado recepção de frangos, Martinho Seidel; o encarregado sangria/escaldagem/depenagem, João Batista Maurente; a gerente da Divisão Controle de Qualidade, Ivane Giacobbo; a supervisora de Qualidade, Cristina Fritsch; e Elis Jennifer Jaeger Laissmann e Júlia Camila de Souza, do Setor Auditoria da Qualidade.

A Certificação Halal permite que alimentos sejam exportados a países do Oriente Médio e determina uma série de requisitos durante o abate e a industrialização do produto, respeitando os conceitos religiosos Halal, importantes para a comunidade muçulmana.

A Dália Alimentos buscará a certificação de todo o processo de abate e habilitação da planta e de embarque de cortes de frango para os clientes que exigirem tal documentação. Neste período, um supervisor de origem muçulmana acompanhará todo o processo de produção em tempo integral. Caberá a ele orientar em como proceder e explicar os requisitos normativos necessários para atuar com produtos Halal de origem animal. Além das auditorias anuais de validação do sistema, do processo e da matéria-prima, outro supervisor muçulmano realizará os relatórios de rastreabilidade para a emissão do certificado de embarque para cada lote produzido.

A técnica de abate conhecida como Halal determina que os animais sejam abatidos de acordo com o ritual islâmico (chamado de Zabibah ou Zabiha, que indica que a carne é Halal). Neste ritual, os animais são mortos com um corte em movimento de meia-lua no pescoço, para que não sofram e não liberem enzimas. Halal, segundo o Alcorão (livro sagrado do Islã), é o que é permitido para o consumo. A primeira exportação de carne Halal do Brasil ocorreu em julho de 1975, quando um pool de empresas catarinenses embarcou 650 toneladas para a Arábia Saudita e para o Kuwait.

 

O que é o Conceito, Alimento e Certificado Halal?

A palavra Halal significa “permitido” em árabe. Trata-se de um padrão ético baseado nos princípios e jurisprudência islâmicos no que diz respeito à origem e produção de alimentos. Através da certificação Halal, uma entidade islâmica autorizada atesta que os alimentos estão aptos à exportação para serem consumidos pelo povo muçulmano.

Já o alimento Halal é aquele que pode ser consumido de acordo com as regras e leis islâmicas e o Certificado Halal consiste em um documento que aprova produtos, serviços ou sistemas em acordo com os requisitos muçulmanos. Os produtos neste padrão e para este destino também deverão conter a logomarca Halal.

Atualmente, há cerca de 1,8 bilhão de muçulmanos espalhados pelos cinco continentes ao redor do mundo. Estudos mostram que esse número deve chegar a 2,2 bilhões em 2030. Representando 1/4 da população ao redor do mundo, os muçulmanos são os principais consumidores de produtos Halal, que se destacam por sua alta qualidade e segurança alimentar.

Assessoria de Imprensa Cooperativa Dália Alimentos

Portal de Notícias Correio do Mate
Sandra Meotti

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.