GeralNotícias

Estado, MP e Famurs voltam a discutir o funcionamento de escolas durante a pandemia

0
Tempo de leitura: 1 minuto

Em nova reunião virtual na tarde desta quarta-feira (2/6), o Ministério Público (MP) se juntou ao governo do Estado e à Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) para discutir a suspensão do funcionamento de escolas durante a pandemia em algumas cidades gaúchas. A Famurs apresentará ao MP e ao Executivo os motivos que levam os municípios que ainda têm atividades presenciais suspensas a tomar esta decisão. Para isso, uma nova reunião será realizada na próxima semana. Este foi o terceiro encontro – os primeiros ocorreram em 26 e 28 de maio.

O procurador-geral do Estado, Eduardo Cunha da Costa, destacou a articulação entre as instituições para que a questão seja resolvida. “Os representantes do Executivo buscam alinhamento para garantir o direito das crianças de acesso à educação”, destacou. A secretária da Educação, Raquel Teixeira, manifestou otimismo com o início da vacinação dos profissionais da educação. “Felizmente, muitos municípios já estão revogando os decretos que suspendiam as atividades presenciais”, afirmou.

O presidente da Famurs, Maneco Hassen, deverá entrar em contato com os prefeitos dos municípios com aulas suspensas para que apresentem os motivos da decisão. “Será necessário uma justificativa sanitária para manter a suspensão, e ela não poderá ocorrer apenas para a rede pública ou a privada, por exemplo”, explicou a promotora Luciana Cano Casarotto.

Participaram também da reunião a secretária da Saúde, Arita Bergmann, prefeitos e membros do Ministério Público.

Texto: Ascom PGE

 

 Escrito por: SESCOM

Andressa de Oliveira

Chegaram ao Estado mais 38,6 mil doses da vacina da Pfizer

Artigo anterior

Morre em Passo Fundo a cantora Berenice Azambuja aos 69 anos

Próximo artigo

Você também pode gostar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Mais Geral