Notícias

FONTOURA XAVIER | Em Sessão Ordinária, vereadores aprovam quatro projetos

0
Tempo de leitura: 2 minutos

O projeto de Lei nº 47/2021 dispões sobre as Diretrizes Orçamentárias para o Exercício Financeiro de 2022 e dá outras providências.

Constituição Federal de 1988, sofreu várias mudanças com a Lei de Responsabilidade Fiscal nº101/2000. A LDO é o instrumento que possibilita a orientação da elaboração da proposta orçamentária, a cargo do Poder Executivo. Essa sistemática permite a discussão de princípios essenciais da estrutura do orçamento anual, sem o que se correria o risco de ter uma proposta que, embora consistente, não atendesse as demandas específicas da população representadas pelos membros do Poder Legislativo.

A elaboração da Lei das Diretrizes Orçamentárias – LDO dá sequência ao ciclo de planejamento, que teve origem na elaboração do Plano Plurianual – PPA para o quadriênio 2022-2025, o qual foi aprovado por este Poder Legislativo através da Lei nº 1817/2021 e conclui-se com a elaboração da Lei Orçamentária Anual – LOA. Portanto, pedimos a aprovação do referido projeto de Lei, para atendimento das Leis citadas, sendo que os valores estimados para receita do exercício de 2022 são indicativos e não normativos, os quais poderão ser reajustados na Lei Orçamentária Anual.

O projeto de Lei nº 48/2021, institui o plano de equacionamento do déficit atuarial do Plano Previdenciário do Regime Próprio de Previdência Social do Município de Fontoura Xavier, após sua adequação à Emenda Constitucional nº 103/2019.

A iniciativa da proposta é para cumprir as exigências legais junto à Secretaria de Políticas de Previdência Social (SPPS) com o fim de ajustar pontos para o ideal funcionamento e organização do Fundo de Previdência do Município de Fontoura Xavier a busca do Equilíbrio Financeiro e Atuarial, bem como a manutenção da regularidade do CRP – Certificado de Regularidade Previdenciária. Todo Regime Próprio de Previdência deve realizar anualmente seu Cálculo Atuarial com o objetivo de verificar a saúde financeira do regime previdenciário, conforme exigência legal da Secretaria de Previdência/ME.

Quando a Secretaria de Previdência e Atuário detectam a necessidade de mudanças de alíquotas, exigem que estas modificações estejam definidas em lei traçando assim um plano de amortização do déficit atuarial e consequentemente mantendo regular o critério “Equilíbrio Financeiro e Atuarial”.

Portanto, todos os Entes Federativos que possuem Regimes Próprios deverão
possuir Lei regulamentando os parâmetros adotados para equacionar seu déficit. A alíquota extraordinária determinada neste projeto de Lei é de 14% e foi definida com base no Cálculo Atuarial para 2021, mas não significa que o Município irá adotar a mesma tabela durante os próximos anos, em razão da necessidade de elaboração de novos cálculos à cada exercício, bem como adoção de outras ações que reduzam o déficit atuarial. A mesma passa a valer a partir de setembro de 2021.

O projeto foi aprovado por unanimidade.

Projeto de Lei nº 49/2021 regulamenta a nova Taxa de Administração para o custeio das despesas correntes e de capital necessárias à organização e ao funcionamento do Regime Próprio de Previdência e da outras providencias.
A partir da instituição do Regime Próprio de Previdência Social, do Município de Fontoura Xavier. Faz necessárias as adequações a fim de que a legislação
local esteja em consonância com o as necessidades do fundo, razão pela qual tal regulamentação se faz necessária.

Art. 1º A Taxa de Administração para custeio das despesas correntes e de capital necessárias a organização e ao funcionamento do órgão ou entidade gestora do RPPS municipal, inclusive para conservação de seu patrimônio deverá observar o disposto nesta Lei e os seguintes parâmetros.

I- A Taxa de Administração, será de 3,6% sobre o somatório da remuneração de contribuição de todos os servidores ativos vinculados ao RPPS, apurado no exercício financeiro anterior.

II- Fica autorizada a reversão dos recursos relativos à Taxa de Administração mantidos por meio da Reserva Administrativa de que trata o mantidos por meio da Reserva Administrativa de que trata o § 3º do art. 51 da Portaria MF
nº 464, de 2018, para pagamento dos benefícios do RPPS, desde que aprovada pelo conselho deliberativo, vedada a devolução dos recursos ao ente federativo.

§ 1º Fica autorizada que a Taxa de Administração prevista no inciso I do caput,
destinada ao atendimento das despesas de que trata o § 2º, seja elevada em 20% (vinte por cento).

$ 2° Os recursos adicionais decorrentes da elevação de que trata o § 1º deverão ser destinados exclusivamente para o custeio de despesas administrativas relacionadas no $ 6° do Art. 15 da Portaria MPS nº 402, de 10 de dezembro de 2008, ou outro que vier a lhe substituir.

§ 3º A elevação da Taxa de Administração de que trata o § 1º observará os
parâmetros contidos no $ 7° do Art. 15 da Portaria MPS n° 402, de 10 de dezembro de 2008, ou outro que vier a lhe substituir.
$ 4º Aplicam-se as demais disposições contidas no Art. 15 da Portaria MPS n° 402, de 10 de dezembro de 2008.

Art. 2º O ente federativo deverá adotar os procedimentos administrativos, atuariais, legais e orçamentários necessários para cumprimento do disposto na Portaria nº 19.451, de 18 de agosto de 2020 do Ministério da Economia e aplicação dos novos limites e base de cálculo da Taxa de Administração, fixados no art. 1° desta Lei, que serão aplicados a partir do primeiro dia do exercício subsequente a sua aprovação.

O projeto foi aprovado por unanimidade.

 

O Projeto 50/2021 autoriza o Poder Executivo Municipal a alterar o valor
do pagamento mensal previsto no Convênio com o Hospital Santa Terezinha, passando de R$59.000,00, para R$ 74.000,00, a contar de 1 de agosto de 2021.

Conforme, informado pelo Hospital, requerimento anexo, os custos com a
manutenção dos serviços dos serviços prestados, em razão da pandemia promoveu a falta e o aumento abusivo de preços de materiais e medicamentos de uso dos serviços de saúde, conforme órgãos de pesquisa foram identificados aumentos de mais de 1000% em insumos hospitalares.
Vossas Excelências, são conhecedores das importância do Hospital Santa
Terezinha tem para a comunidade Fontourense, que ficou mais do que nunca comprovada nesta época de pandemia, razão pela qual, necessitamos somar todos os esforços para a manutenção do pleno funcionamento deste estabelecimento de saúde.
Pelo exposto, contamos com o apoio de Vossa Senhoria e dignos pares, para
aprovação do presente projeto de lei, tendo em vista a importância do mesmo.
Outrossim, solicitamos a apreciação desse Egrégio Poder Legislativo, e votação em regime de urgência, conforme previsto em nossa Lei Orgânica Municipal.

O Projeto PROJETO DE LEI Nº 50/2021 “AUTORIZA O PODER EXECUTIVO A FIRMAR CONVÊNIO COM HOSPITAL SANTA TEREZINHA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS”.
Art. 1º- Altera o valor do pagamento mensal previsto no Convênio com o
Hospital Santa Terezinha, passando de R$ 59.000,00, para R$ 74.000,00, a contar de 1 de agosto de 2021.

O Projeto foi aprovado por unanimidade.

Indicação

Os vereadores da Bancada do PT, Carolina Prestes, Eduardo Silva Nunes, Josiane Borges, Antônio Portela de Castro e o Presidente da Câmara de Vereadores, Ivan Borges, indicaram ao Poder Executivo Municipal, para que através da Secretaria Municipal da Saúde determine a contratação de um fisioterapeuta e um psicólogo para a Unidade de Saúde Frei Marcos no mínimo 20h e através da Secretaria Municipal da Educação, seja contratado um fisioterapeuta no mínimo 20h para atender no Centro de Atendimento Educacional Especializado – CAEE, devido à demanda de atendimentos.

De acordo com os vereadores, o número de profissionais que estão atuando não conseguem atender a demanda existente nesta especialidade, sendo de extrema importância a contratação desses profissionais ou a ampliação de carga horária dos profissionais já contratados.

A próxima sessão ordinária será realizada no dia 21 de setembro de 2021, a partir das 19h.

 Escrito por: ClicNews

Andressa de Oliveira

GUAPORÉ | Acidente na ponte do Rio Guaporé

Artigo anterior

ARVOREZINHA | Boletim Epidemiológico

Próximo artigo

Você também pode gostar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.