InternacionalSaúde

HBB integra estudo sobre hidroxicloroquina publicado em revista internacional

0
Tempo de leitura: 1 minuto

Uma equipe do Hospital Bruno Born (HBB), de Lajeado, integra a lista de pesquisadores que participaram de um estudo sobre o uso da hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19 publicado na revista New England Journal of Medicine.

Chamado de Coalizão Covid-19 Brasil, o consórcio de instituições de saúde brasileiras – coordenado pelos hospitais Albert Einstein, Sírio-Libanês e Beneficência Portuguesa, de São Paulo – avaliou a eficácia da hidroxicloroquina no tratamento de pacientes internados com casos leves e moderados da Covid-19, com média de tempo entre o início dos sintomas e início do tratamento de sete dias.

O ensaio clínico durou 15 dias e envolveu 667 pacientes em 55 hospitais do Brasil. Os pacientes foram divididos em três grupos: um deles recebeu apenas hidroxicloroquina; outro, hidroxicloroquina e azitromicina; o terceiro, nenhuma destas medicações recebendo tratamento com os cuidados usuais.

Dezoito pacientes do Hospital Bruno Born foram incluídos no estudo entre os dias 25 de abril e 18 de maio de 2020. No Hospital Bruno Born, o estudo foi coordenado pelo médico intensivista Fábio Cardoso. “A participação do HBB coloca o hospital num patamar de excelência, junto aos grandes hospitais do país e com os profissionais mais capacitados”, observa Cardoso.

Os pacientes que participaram do estudo tinham seu tratamento definido por um sorteio realizado eletronicamente, em um processo chamado de randomização. “Explicávamos a eles o estudo e, quem aceitasse, tinha seu nome inserido em uma plataforma eletrônica que fazia o sorteio e encaminhava o paciente a um dos três grupos”, detalha ele. O estudo acompanhou os pacientes por 15 dias, e as medicações foram ministradas por uma semana.

Cardoso relata que o estudo não evidenciou beneficio no uso de hidroxicloroquina ou de hidroxicloroquina associada ao antibiótico azitromicina quando comparado com cuidados usuais – ou seja, não modificou a evolução clínica dos pacientes. Além disso, a pesquisa avaliou a segurança das medicações: tanto a hidroxicloroquina sozinha, quanto a associada à azitromicina, ocasionou um risco aumentado de arritmias cardíacas não graves.
Nesta semana, o Hospital Bruno Born (HBB) emitiu nota oficial informando que defende a autonomia do médico e do paciente e/ou responsáveis, de acordo com o Código de Ética Médica, com relação a opções terapêuticas da infecção pelo coronavírus e suas complicações durante a internação hospitalar ou atendimento nos setores de emergência e pronto atendimento; assim como a decisão do médico de definir o tratamento conforme sua avaliação do caso, sendo decisão particular do profissional responsável pelo atendimento ao paciente, e a decisão individual de cada paciente ou seus responsáveis em relação aos tratamentos propostos.

Saiba mais

A pesquisa completa pode ser acessada no seguinte link: https://bit.ly/2OPCEx0

Equipe do HBB que participou da pesquisa:

Fabio Cardoso – Médico Intensivista
Martina Mazotti – Farmacêutica
Rafaela Ellwanger – Coordenadora
Cristiane Costa – Fisioterapeuta
Fabiula Barbosa – Farmacêutica
Mônica Campos – Sub Investigadora
Ketlin Overbeck – Enfermeira
Lucas Mallmann – Sub Investigador
Carla S. Urruth – Sub Investigadora
Juliano Dalla Costa – Sub Investigador
Karoline Gunsch – Sub Investigadora
Mariele Laste – Enfermeira
Stephanie Heck – Sub Investigadora
Daiana Stumm – Enfermeira
Katiuci Rocha – Farmacêutica
Andre Weber – Sub Investigador
Barbara Zen – Sub Investigadora
Raquel Gonzatti – Enfermeira
Karla Zemolin – Farmacêutica
Alice Poersch – Farmacêutica
Luisa Sfair – Sub Investigadora

Foto Divulgação

legenda – Ensaio clínico no HBB durou 15 dias

Gemerson Rogerio Santos

Anta Gorda | Progressistas não aceita Sperandio e consenso balança

Artigo anterior

DAER recupera parte do trecho esburacado na ERS-129 entre Guaporé e Serafina Corrêa

Próximo artigo

Você também pode gostar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.