Portal de Notícias Correio do Mate
GeralNotícias

Judiciário homologa acordo celebrado entre Município de Guaporé e iniciativa privada sobre a área do Curtume

Entendimento é que a desapropriação foi um ato administrativo que levou o Município a sofrer muitos prejuízos

83Visualizações
Portal de Notícias Correio do Mate

O Município firmou acordo nos autos do processo nº. 053/1.12.0000318-8, do Poder Judiciário da Comarca de Guaporé, a fim de encerrar um processo que durava mais de oito anos e que estava gerando uma dívida milionária, comprometendo o orçamento futuro.

O problema surgiu com a edição do Decreto Municipal nº. 4.762/2012, de 10 de fevereiro de 2012, que declarou de utilidade pública uma área de propriedade da empresa Ppremium Urbanizadora e Incorporadora Ltda, objeto da Matrícula nº. 2.822, com a área de 30.488,00m², tendo a finalidade exclusivamente de instalação de um novo Centro Administrativo, nos termos dos arts. 1º e 3º, do referido diploma.

Nomeado perito judicial, a área foi avaliada em R$ 3.420.000,00 no ano de 2014. Embora em primeiro grau tenha sido aceita a avaliação do Município, em segundo grau, a Procuradoria-Geral de Justiça alterou esse entendimento, cujo Procurador da Justiça, em seu parecer de fls. 297 confirmou: “A avaliação final do imóvel, sem o desmembramento da área foi requantificada para R$ 3.420.000,00 (fls 204/206). Esta avaliação é que deve prevalecer. Em segundo lugar, porque valor em que concretizada a arrematação não pode servir de limitador para a fixação do valor da justa indenização, devida por conta da desapropriação da área. Ora, ao estabelecer que a indenização há de ser justa, a Constituição Federal impõe seja observado o real e efetivo valor do bem, avaliado conforme critérios atuais de mercado. Nesse sentido, é possível que o valor do bem arrematado em leilão não corresponda ao seu valor de mercado, pois na arrematação o elemento sorte há de ser levado em consideração…”, declarou o Procurador de Justiça, Dr. Ricardo Alberton do Amaral.

O parecer segue a jurisprudência pátria, no sentido de que o valor arbitrado pelo perito é o que deve ser acolhido. A atual Administração Municipal sempre entendeu que a desapropriação foi um ato administrativo que levou o Município a sofrer muitos prejuízos, pois a área, por ser de grande proporção, necessita de investimentos elevados, recursos não disponíveis. A falta de recursos levou à deterioração completa da área, com o desabamento de diversos prédios. Se cogitou instalar uma rodoviária ou a venda de lotes pelo Município. Todavia, o decreto desapropriativo impede que isso se faça, pois foi taxativo e a área deveria se destinar à instalação de um novo Centro Administrativo, e qualquer outra destinação resultaria em dever de indenização pelo Município, por desvio de finalidade, situação prevista em legislação e já com jurisprudência firmada no Supremo Tribunal de Justiça (STJ) (Resp 816.251/SP, Rel. Ministro Francisco Falcão, primeira turma, julgado em 14/03/2006, DJ 27/03/2006 p. 241; Recurso Especial nº.1.234.476/PR (2011/0012490-0), 1ª Turma do STJ, Rel. Gurgel de Faria. J. 25.06.2019, DJe 06.08.2019).

Aliás, na Administração Municipal anterior já havia ocorrido o desvio de finalidade, pois a área foi cedida ou alugada como depósito de lixo, fato público e notório, amplamente divulgado na imprensa local, que gerou a necessidade de o Município dispender quantia elevada para retirar dos resíduos do local. De outra parte, também houve um apossamento de uma área junto à Rua Guilherme Mantese, que resultaria em nova desapropriação, esta indireta. Finalmente, o decreto continha vícios, principalmente que a área constante no Decreto de 30.448,00m², é diferente da constante na descrição do imóvel desapropriado, com mais de 36.000,00m².

Considerando que a empresa renunciou a pleitear indenizações por vícios de desvio de finalidade, desapropriação indireta e erro na área constante no decreto, o acordo se tornou extremamente vantajoso para o Município, mesmo porque, o processo estava gerando uma dívida milionária, comprometendo o orçamento futuro, como ocorreu com o conhecido caso da desapropriação Magnabosco de Caxias do Sul, cujo julgamento se encontra em fase final, agora sem possibilidade de acordo e que poderá levar à insolvência do município serrano.

Há que se destacar que os moradores vizinhos ao antigo Curtume, constantemente reclamavam que o local havia se transformado em área de consumo de drogas, prostituição e proliferação de doenças. Outro ponto levado em consideração é a instalação de um novo Centro Administrativo no local, não levou em consideração os moradores das zonas norte, leste e oeste da cidade, pois o mesmo deve atender à questão de locomoção de todos e não apenas dos munícipes da zona sul.

Cabe agora à iniciativa privada dar vida ao local, promovendo a limpeza dos prédios que desabaram, trazendo segurança à vizinhança, pagando impostos e gerando empregos. O Poder Público dá fim ao imbróglio administrativo, que não levou em conta a possibilidade financeira do Município investir o dinheiro necessário no local, fugindo da real finalidade que é fornecer saúde, educação, segurança e infraestrutura. O Município ficará vigilante e atuante para que a área tenha o destino que sempre mereceu, ou seja, ser uma área irradiadora de progresso.

Fonte: Prefeitura de Guaporé

Portal de Notícias Correio do Mate
Sandra Meotti

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.