EconomiaGeralNotícias

Leite mantém corte de ponto “para desestimular a prática grevista”

0
Tempo de leitura: 1 minuto

O governador Eduardo Leite afirmou, nesta quinta-feira (9), que vai manter o corte de ponto dos professores que aderiram à greve da categoria e que essa postura tem objetivo de evitar futuras paralisações. Conforme Leite, o governo respeita a mobilização, mas tem direito a não pagar os servidores que participam do movimento — iniciado em 18 de novembro.

— O governo insiste nessa posição em benefício da sociedade gaúcha, não apenas olhando para essa greve, mas para o futuro, para desestimular a prática grevista. Isso não significa desrespeito à greve. O direito de greve é preservado, dá condição aos profissionais, aos servidores, de terem seu contrato de trabalho preservado, sem que possam ser demitidos, mas não assegura remuneração — disse.

O governador afirmou também que o desconto dos dias parados é uma “ação decisiva e determinada” do Piratini e que, se os professores seguirem em greve, terão mais um mês descontado dos vencimentos.

— Se os professores não retornarem às aulas imediatamente, uma consequência eles terão: perder mais um mês de salário. Muita gente já tem um mês de salário perdido. Se não voltarem imediatamente, vão ter mais um. Quando o governo exige que trabalhem para concluir o ano letivo, não está exigindo nada mais do que o contrato de trabalho estabelece. Vão ter que usar o recesso para dar aulas — afirmou Leite.

O governador também sugeriu que, no futuro, o próprio Cpers pague aos servidores os salários relativos aos dias de greve:

— Se querem estimular os professores, os servidores, a aderirem à greve, que formem um fundo. O sindicato tem recursos para isso. Forme um fundo e ofereça ele (o sindicato) o pagamento dos dias parados.

Em longa resposta sobre o tema, após evento no Palácio Piratini, o governador também manteve a atual oferta aos grevistas, de desconto gradual dos dias parados, nas folhas salariais dos próximos meses:

— Estamos oferecendo uma alternativa razoável. Voltem ao trabalho. Não somos desumanos, insensíveis. Pagamos (os dias parados) em folha suplementar, em cinco dias úteis, e se faz o desconto depois, ao longo dos próximos meses — projetou.

O governo calcula que 83 escolas estaduais ainda estejam em greve, das cerca de 2,5 mil. Na próxima terça-feira (14), os professores voltam a analisar, em assembleia convocada pelo Cpers, os rumos da paralisação — os últimos dois encontros entre governo e grevistas terminaram sem acordo.

Fonte: Grupo RBS

Gemerson Rogerio Santos

Toffoli volta atrás e contribuinte terá redução no pagamento do DPVAT

Artigo anterior

Estiagem foi tema de debate entre prefeitos e governo do RS

Próximo artigo

Você também pode gostar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.