GeralNotícias

Mais de um milhão de gaúchos estão invisíveis para o Governo

0
Tempo de leitura: 1 minuto

Mais de 1 milhão de gaúchos, dos setores mais prejudicados pela pandemia, como o das escolas profissionalizantes, do turismo e da gastronomia permanecem proibidos de trabalhar nos decretos do Governo. Eles não promovem aglomeração e não são causa de aumento do contágio. A FEDERASUL espera que suas atuações de baixo risco sejam reavaliadas na reunião do Gabinete de Crise, desta quinta (08). “Estes segmentos estão em lockdown há 40 dias, conforme definiu o diretor da Quinta da Estância, Rafael Goelzer, um dos convidados do Tá na Mesa, desta quarta (07). Ele, juntamente com secretário Estadual de Inovação, Ciência e Tecnologia, Luis Lamb e o vice-presidente do Conselho Estadual de Medicina, Eduardo Trindade, falaram sobre os impactos da pandemia no Estado.

A urgência na reavaliação sobre a atuação dos três setores é para evitar o fechamento das empresas que estão sofrendo uma verdadeira hemorragia. “Precisamos fazer com que estes segmentos, de baixo risco, voltem a trabalhar, mesmo que minimamente, para impedir uma convulsão social decorrente do aumento do desemprego”, enfatizou o vice-presidente da FEDERASUL, Rodrigo Sousa Costa, que conduziu o debate do Tá na Mesa. “Queremos um olhar diferenciado sobre os 1 milhão de gaúchos”, disse Rodrigo.

Sem apontar culpados os três convidados da FEDERASUL detalharam, com números e exemplos, os efeitos da pandemia a partir das medidas de controle sobre sua disseminação. Economia e saúde podem conviver, disse o diretor da Quinta da Estância que mostrou, a partir de análise dos picos da doença, que a contaminação veio com as aglomerações e não das atividades econômicas.

“As medidas de fechamento do setor de turismo, por exemplo, já provocam uma queda de 59% no faturamento, no comércio de 33% (com a proibição de trabalhar nos finais de semana) e no de serviços, de 20%”, enfatizou Rafael Goelzer. Se nada for alterado, lembrou, “60% das empresas dos segmentos não vão sobreviver”. Na verdade, disse o diretor da Quinta da Estância, “a conta chegou para o destinatário errado”.

O saldo da pandemia no RS (PIB caiu mais de 7% e fechamento de cerca de 100 mil empresas) mostra que também no setor da saúde a situação é preocupante. “200 mil diagnósticos de câncer deixaram de serem feitos”, enumerou o vice-presidente do CREMERS. “Quando forem diagnosticados impactarão todo o sistema”. Eduardo Trindade exemplificou que muitos deles tiveram que cancelar o plano de saúde por causa do desemprego e acabarão pressionando o SUS, ocasionando uma terceira onda de pressão sobre o sistema de atendimento e de hospitalizações”.

Já, o secretário Estadual de Inovação, Ciência e Tecnologia, Luis Lamb, explicou como funciona o Comitê Científico do Governo lembrando que o modelo busca permitir um alerta com as bandeiras de risco a partir de indicadores e pede ações para serem tomadas. “A prioridade é a vida com a retomada econômica”, disse, enfatizando que “não existe setor empresarial responsável pela pandemia”.

Ele reconheceu, no entanto, assim como nos outros países, talvez o Brasil tivesse que ter aberto as escolas, em primeiro lugar. “Os prejuízos econômicos e sociais na educação, ainda são incalculáveis”, concluiu.

fonte: Portal ClicSoledade

Andressa de Oliveira

ITAPUCA | Município tem 16% da população vacinada contra covid-19

Artigo anterior

ANTA GORDA | Projeto de Videomonitoramento

Próximo artigo

Você também pode gostar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Mais Geral